sexta-feira, 29 de janeiro de 2010

UFU produz plástico biodegradável

Desenvolver um plástico biodegradável feito a base de bagaço de cana e caroço de manga. O estudo, feito por um grupo de pesquisadores da Universidade Federal de Uberlândia (UFU) e da Universidade de Caxias do Sul (UCS), além de reduzir o impacto ambiental - uma das maiores preocupações mundiais da atualidade -, deverá otimizar o trabalho da agroindústria, com a criação de recipientes biodegradáveis para a acomodação de mudas.
Em princípio, a pesquisa com o bagaço da cana iniciou em 1996, durante a tese de doutorado de Guimes Rodrigues, docente do curso de Química da UFU. O trabalho com o caroço de manga surgiu há 3 anos, por meio da necessidade de um viveiro de Araguari (MG) de reutilizar resíduos da fruta e reduzir custos com a mão de obra, com a armazenagem e o transporte de tubos para se colocar mudas - tubetes.
Atualmente, são utilizados cerca de 120 mil tubetes por mês no viveiro. Estes são retornáveis e feitos com plástico comum e quando desgastados ou danificados são descartados e levam de 200 a 300 anos para desaparecer na natureza.
Segundo a doutoranda Carla Meireles, os tubetes feitos com o novo plástico poderão ser deixados ao solo, junto com a planta. O que evitaria a danificação da raiz e do próprio recipiente feito com plástico comum. Além disso, de acordo com a assistente administrativo do viveiro, Solange de Freitas, o produto diminuiria o custo com armazenagem, esterilização e transporte. “Hoje os produtores devolvem os tubetes, o que gera um gasto com combustível, e nós precisamos conferir e esterilizar. Com o novo produto, este trâmite acabaria. É só plantar e pronto”, afirmou Solange.
Projeto deverá ser implantado em um ano e meio
Segundo Guimes Rodrigues, coordenador da pesquisa, o estudo final deve levar cerca de um ano e meio para ser concluído. Já existe o protótipo do tubete feito com o plástico biodegradável e a intenção é viabilizar a produção do produto em escala industrial.
A equipe de pesquisadores ainda estuda o período de degradação do novo plástico quando levado ao solo, o que deve ser entre quatro meses a um ano. “Para a agroindústria, vai depender do tipo de muda a ser plantada. Tem muda que precisa que o tubete degrade em 4 meses. Vamos administrar para cada tipo”, disse Guimes.
A intenção é que o plástico biodegradável também possa ser utilizado na fabricação de outros produtos, como sacolinhas plásticas, o que evitaria ainda mais o impacto ambiental. “Normalmente a celulose é encontrada na madeira. Sendo feita da cana e manga, a utilização deste plástico evitaria o desmatamento, por exemplo”, disse Guimes.
Os custos do material em relação ao produto comum ainda estão sendo analisados.


VELA A PENA REVER ESTE VIDEO!!!

video

Espero que gostem!!!

Márcio Dias

ADM BLOG

quarta-feira, 27 de janeiro de 2010

CIDADES E SOLUÇÕES - LIXO MINIMO

Segue um video sobre alguns projetos...



Muito bom!!!



Confiram o VIDEO!!!


video

Abraços!

Márcio Dias

ADM BLOG